Conciliação de cartões: Por que tudo o que eu vendi não retorna para mim?

A conciliação de cartões consiste na verificação e validação das informações e transações efetivadas. Para executar esse trabalho, é necessário seguir algumas etapas.

O processo considera as transações de vendas e as transações de recebimentos das vendas. Fazer a conferência individual é uma forma de garantir mais segurança e confiabilidade aos dados da empresa.

Mas ainda assim podem existir dúvidas referentes às vendas e ao processo de conciliação de cartões. Uma delas é em relação ao valor das vendas, que não retorna integral para o caixa da empresa. Por quê? É sobre esse assunto que vamos tratar neste post!

Por que a conciliação de cartões é tão importante?

A conciliação de cartões é uma prática importante para o varejista, pois ajuda de diferentes formas. Um sistema automatizado certamente vai otimizar ainda mais o processo. Vejamos brevemente quatro vantagens em fazer a conciliação de cartões:

  1.   diminui os riscos financeiros;
  2.   controla os recebíveis;
  3.   controla custos e taxas;
  4.   verifica e centraliza todas as informações.

A partir de agora, vamos nos deter na terceira vantagem, pois ela explicará a pergunta que propomos neste artigo.

conciliação de cartões

Por que tudo que foi vendido não retorna para o varejista?

Os recebimentos nos cartões oferecem muitas vantagens ao varejo. O uso deles evita a inadimplência, por exemplo, que é um dos grandes pesadelos das lojas atuais e, na verdade, de todos os tempos. Também facilita a venda de um produto ou um serviço de preço mais alto para o consumidor, o que é bom para o varejista também.

Mas existem custos por essas vantagens: são as taxas e os custos do processo (taxa por transação, custos do POS, custos de antecipação e outros que podem constar no contrato).

Em alguns casos, a compra da máquina de cartão POS pode ser mais viável que seu aluguel — é algo a se pensar como uma estratégia para reduzir despesas.

Na verdade, existem dois tipos de maquininha:

  •         POS: portátil, sem fio, não tem nenhuma conexão com o PDV;
  •         TEF: tem fio, sendo conectado ao PDV (é comum em farmácias, supermercados, padarias).

Quais são as taxas e tarifas incidentes sobre as vendas?

As taxas e as tarifas ainda geram muitas dúvidas nos varejistas. Apesar da maioria deles realizar vendas a crédito em suas lojas, eles ainda não entendem bem quanto pagam pelo serviço. Para oferecer o serviço, é necessário firmar um contrato com uma adquirente. É nesse documento que estão descritas todas as taxas e outros valores que serão cobrados. Os mais comuns são:

  •         aluguel da máquina: valor mensal referente ao uso da maquininha;
  •         taxa do cartão: valor que recai sobre cada venda e varia de acordo com o tipo de cartão (crédito ou débito);
  •         taxas de antecipação: como o valor das vendas não é repassado automaticamente para o vendedor, certas adquirentes fazem a antecipação do valor e cobram uma taxa por esse serviço;
  •         taxa de parcelamento: o parcelamento tende a ser vantajoso para a maioria dos consumidores (desde que façam uso equilibrado do cartão), mas essa opção tem um custo para o varejista, já que ele deve pagar uma taxa para a operadora.

A conciliação de cartões ajuda no controle de taxas e demais custos que afetam o valor das vendas. Dessa forma, é possível evitar erros e custos imprevistos e tomar decisões relacionadas aos serviços que serão contratados para sua loja.

Falamos que o valor das vendas não é repassado imediatamente para o varejista, lembra? Então aproveite e confira qual é o período para o pagamento de compras feitas no cartão de crédito!

 

Comentário no facebook

Login to your account below

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.