Entenda por que você já paga por conciliação mesmo sem saber

 

Muitos dizem que ter um varejo no Brasil é somente para os fortes. Mas será que isso é exagero?

É claro que não! Você, varejista, está de parabéns! Afinal, mesmo diante de cenários econômicos incertos e adversos, seu negócio está de pé, gerando empregos e fazendo a economia girar.

É claro que o sucesso não é fácil. É preciso matar um leão por dia, fazer alguns sacrifícios e, principalmente, administrar com muito cuidado o seu varejo. Por isso mesmo, é totalmente compreensível que você arrepie os cabelos só de ouvir falar em aumentar os gastos administrativos. Porém, há gastos bons e ruins. Saber diferenciá-los pode levar o seu negócio para outro patamar de crescimento e lucratividade. E é sobre isso que falaremos neste artigo.

De forma resumida, gasto ruim é aquele custo desnecessário que você pode eliminar ou reduzir drasticamente. Um cano vazando, por exemplo, gera desperdício de água e aumento na conta. Isso é um gasto ruim. Assim como também é um estoque mal administrado, em que faltam alguns itens e sobram outros.

Já gasto bom é aquele dinheiro que você investe para ter um retorno. Ele pode vir na forma de aumento de receita, redução de riscos ou redução de gastos. E é sobre esse último ponto que falaremos aqui. Se você está lendo este blog, é porque deseja se informar melhor sobre conciliação de cartões. Por isso, vamos afirmar uma coisa que talvez pareça estranha à primeira vista.

Você já paga por conciliação, mesmo sem saber. E o pior: paga mal. Quer entender isso melhor, girar a chave e transformar um gasto ruim em um gasto bom?

Continue a leitura para saber mais!

Quanto custa o seu processo manual de conciliação?

Segundo a Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços), as transações no varejo realizadas com cartões aumentam a cada ano. Em 2018, registrou-se um aumento de 14,7%. Isso é muito bom por um lado: os cartões facilitam a vida do consumidor e geram mais segurança para o lojista.

Porém, quanto maior o uso deles, maior a necessidade de conciliação dos recebíveis. Antigamente era mais fácil, o mercado de captação de pagamentos era menor. Uma ou duas adquirentes disputavam o mercado. Já hoje em dia, é muito comum uma loja com duas, três, ou mais maquininhas de empresas diferentes.

Além da diversidade de adquirentes, o varejista sofre com o grande número de modalidades de venda: crédito, débito, crédito parcelado (que pode ser pela loja ou pelo banco emissor)… Quanto mais adquirentes e mais modalidades, maior é o volume de dados para conferir, gerando uma complexidade cada vez maior para o processo de conciliação

E como seu negócio responde a tudo isso? Dedicando uma equipe para fazer a conciliação manual. Se essa é a resposta, tenha certeza de uma coisa.

Você está perdendo dinheiro. Reflita mais um pouco.

  • a conciliação manual demanda mão-de-obra; funcionários que ficam dedicados somente a essa tarefa. Qual é o custo mensal dessa equipe na folha de pagamento?
  • a conciliação manual não é confiável; por mais dedicada que seja sua equipe, o volume de informações e a quantidade de variáveis para se checar torna o controle muito mais sujeito a erros.
  • a conciliação manual é pouco eficiente, pois emprega muita gente por uma grande quantidade de tempo e gera resultados pouco confiáveis.

Não há como fugir dessa conclusão: ter uma equipe dedicada à conciliação manual representa um custo alto para a sua empresa. Tanto em termos de valor-hora dos seus funcionários, quanto em termos de qualidade do serviço.

Por que a conciliação automática é o melhor investimento?

 

De forma resumida, investir em conciliação automática:

  • reduz custos com pessoal;
  • aumenta a produtividade do setor administrativo;
  • libera pessoal para cuidar da atividade-fim e gerar receita; 
  • reduz os riscos do seu negócio.

Imagine que todo o trabalho que sua equipe de conciliação faz possa ser substituído por um sistema de conciliação automática, que entrega informações confiáveis e atualizadas diariamente. Bom demais para ser verdade?

De jeito nenhum, é justamente isso o que faz um bom sistema de conciliação automática. Agora coloque na ponta do lápis o custo dessa equipe na folha de pagamento. Com certeza ele será mais alto do que o valor que uma empresa confiável de conciliação vai te cobrar.

Portanto, o gasto com a conciliação automática passa a ser um gasto bom; um investimento para a redução de custos.

Além disso, a eficiência do serviço automatizado é muito maior. E isso não é culpa da sua equipe. Afinal, eles são humanos e não robôs. O tempo dos seus funcionários (e o custo que eles representam) seria bem melhor empregado em atividades de atendimento, pós-venda, relacionamento com clientes, enfim, naquilo que efetivamente gera receita para o seu negócio.

Esse é mais um fator importante: o gasto com a conciliação automática é, na verdade, um investimento para aumentar a eficiência, liberando sua mão-de-obra para cuidar da atividade-fim do seu negócio e gerar receita.

Além disso, o investimento em conciliação automática aumenta a segurança do seu controle de recebíveis e reduz o risco do seu negócio, diminuindo a exposição a fraudes e chargebacks, bem como eventuais inconsistências nos valores repassados por adquirentes.

Conciliar é uma necessidade indispensável para quem quer crescer. Se ainda não está convencido disso, temos 8 boas razões para você mudar de ideia. Mas talvez você já entenda a importância de conciliar e já faça um processo de conciliação manual na sua empresa.

Neste caso, este artigo apresentou tudo o que você precisa saber para girar a chave e transformar seu gasto ruim em um gasto bom: investir em conciliação automática.

Não perca tempo. Entre em contato agora com a equipe da Concil e conheça todos os benefícios do Concil Card, o sistema de conciliação automático ideal para sua empresa.

Comentário no facebook

Login to your account below

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.